Aula 15 - Sintaxe:
Orações coordenadas e Orações subordinadas
 
Tipos de Período

Como já sabemos, período é a frase organizada em orações. Dependendo do número de orações que o compõem, o período pode ser simples ou composto.

a) período simples: é formado por uma única oração, organizada em torno de um verbo ou uma locução verbal.
Ex.: "Minha vida era um palco iluminado." (Sílvio Caldas e Orestes Barbosa)
Ex.: Amanhã poderá chover.

A oração que forma um período simples recebe o nome de oração absoluta.

b) período composto: é formado por mais de uma oração. Dependendo de como as orações se relacionam, pode ser:

- composto por coordenação: é formado exclusivamente por orações coordenadas.

Ex.: No outro dia tomei o trem / , peguei no sono / e acordei na estação central.
     oração assindética
oração coordenada
oração coordenada

Ex.: Cheguei cedo ao teatro / , mas não arranjei um bom lugar.
          oração assindética
oração coordenada

- composto por subordinação: é formado de oração principal e oração(ões) subordinada(s).

Ex.: Um relance de olhos revelou-me / que sua fisionomia não era estranha.
     oração principal
oraçã subordinada

Ex.: Não conheço a pessoa / que ela estava procurando / quando chegou à cidade.
     oração principal
oraçã subordinada
oraçã subordinada

- composto por coordenação e subordinação: trata-se de um tipo de período misto no qual coexistem os dois processos sintáticos de relacionar orações (a coordenação e a subordinação). É formado de oração principal, oração(ões) subordinada(s) e oração(ões) coordenada(s).

Ex.: O síndico convocou uma reunião / a fim de que o problema fosse resolvido
     oração principal
oraçã subordinada
/ , mas ninguém compareceu.  
oração coordenada                    
 

Ex.: Quando ele chegou / , retirei-me imediatamente / e depois fui para casa.
     oraçã subordinada
     oração principal
oração coordenada

Orações Coordenadas

Orações coordenadas são aquelas que, no período, não exercem função sintática umas em relação às outras. Uma oração coordenada, portanto, nunca será termo das outras coordenadas com as quais se relaciona.

Ex.: Acordei cedo / , tomei o café / , paguei a conta / e deixei o hotel.
oração coordenada
oração coordenada
oração coordenada
oração coordenada

Verifique que, no exemplo acima, temos quatro orações sintaticamente independentes; cada oração é, do ponto de vista sintático, uma unidade autônoma.

Apesar de sintaticamente independentes, as orações coordenadas se relacionam logicamente pelo sentido, dando coesão e coerência à frase. Se as orações coordenadas do exemplo dado estivessem assim relacionadas: “Deixei o hotel, paguei a conta, tomei o café e acordei cedo.”; o sentido da frase estaria prejudicado por não apresentar coesão e coerência entre as orações que a compõem.
As orações coordenadas podem vir ou não introduzidas por conjunções coordenativas, que são as palavras responsáveis por estabelecer conexão entre segmentos de frases (no caso, as orações de um período).
Quando não vêm introduzidas por conjunção, recebem o nome de coordenadas assindéticas. Nesse caso, as orações estarão justapostas e a conexão entre elas será dada por uma pausa, representada, na escrita, por sinal de pontuação.
Quando vêm introduzidas por conjunção, recebem o nome de coordenadas sindéticas.
É importante assinalar que o processo da coordenação pode também ocorrer entre períodos de um texto, como no seguinte exemplo:

Ex: "No mundo moderno, os órgãos do governo têm a obrigação de prestar serviços à população. Até o final do século passado, muitas pessoas achavam que a única função do governo era manter a ordem pública e cuidar da defesa do país. O governo fazia pouco mais do que isso, deixando quase tudo na mão dos particulares. Mas as condições de vida social mudaram muito. Com a Revolução Industrial (século XVIII), um número elevado de pessoas saiu do campo e foi para as grandes cidades. Muitas dessas pessoas não conseguiram emprego, outras se empregaram, mas com salários muito baixos. (...)" (DALLARI. Dalmo de Abreu. Viver em sociedade. São Paulo: Moderna, 1985. p.42.)

Classificação das Orações Coordenadas Sindéticas

As orações coordenadas sindéticas classificam-se, de acordo com a conjunção que as introduz, em: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e explicativas.

a) aditivas: exprimem ideia de soma, adição. As principais conjunções aditivas são: e, nem, mas também, mas ainda.

Ex.: Pedro estuda / e trabalha.
     or. assindética
or. coord. sind. aditiva

b) adversativas: exprimem ideia de adversidade, oposição, contraste. As principais conjunções adversativas são: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto.

Ex.: Pedro trabalha muito / , mas ganha pouco.
     or. assindética
or. coord. sind. adversativa


A conjunção adversativa mas sempre estará no início da oração coordenada. As demais conjunções adversativas podem estar no início, no meio ou no final da oração coordenada.
Pedro trabalha muito, no entanto ganha pouco.
Pedro trabalha muito; ganha, no entanto, pouco.
Pedro trabalha muito; ganha pouco, no entanto.

c) alternativas: exprimem ideia de alternância, escolha. Haverá alternância quando a ocorrência de um fato implicar a não ocorrência de outro. As principais conjunções alternativas são: ou, ou... ou, ora... ora, quer... quer, já...já, seja... seja.

Ex.: Venha agora / ou perderá a vez.
     or. assindética
or. coord. sind. alternativa

d) conclusivas: exprimem ideia de conclusão. As principais conjunções conclusivas são: logo, portanto, então, pois (posposto ao verbo).

Ex.: As árvores balançam / , logo está ventando.
     or. assindética
or. coord. sind. conclusiva

e) explicativas: exprimem ideia de explicação, justificação, confirmação. As principais conjunções explicativas são: pois (anteposto ao verbo), porque, que.

Ex.: Venha imediatamente / , pois sua presença é indispensável.
     or. assindética
or. coord. sind. explicativa

O papel das conjunções

Como já foi dito no em Conjunção, é fundamental notar que o contexto determina o tipo de relação estabelecido pela conjunção, pois uma mesma conjunção pode estabelecer relações diferentes entre orações.
a) Pedro trabalha de dia e estuda à noite.
b) Pedro queria viajar nas férias e não podia.
c) Siga este conselho e terá sucesso.

Observe que, em a, a conjunção e estabelece relação de adição entre as duas orações. Já em b e c essa mesma conjunção assume outros matizes, indicando adversidade e explicação, respectivamente. As frases b e c equivalem, respectivamente, a:
Pedro queria viajar nas férias, mas não podia.
Siga este conselho, pois terá sucesso.

Orações Intercaladas

Orações intercaladas (também conhecidas como orações interferentes) são orações independentes que não pertencem à seqüência do período.
As orações intercaladas são utilizadas para um esclarecimento, um aparte, uma citação.

Ex.: Eu - retrucou o advogado - não concordo.
 
oração intercalada
 

Ex.: "- Tem razão, Capitu / , concordou o agregado. / Você não imagina como a Bíblia
 
oração intercalada
 
é cheia de expressões cruas e grosseiras." (Machado de Assis)

As orações intercaladas vêm separadas por vírgula ou travessões.


Orações Subordinadas

No período composto, as orações se relacionam de tal modo que umas podem exercer funções sintáticas em relação a outras.
Toda oração que exerce uma função sintática em relação à outra denomina-se oração subordinada.
As orações subordinadas,conforme a função sintática que exerçam, classificam-se em substantivas, adjetivas ou adverbiais.

a) substantivas: exercem as funções próprias de um substantivo (sujeito, objeto direto, objeto indireto, predicativo, complemento nominal e aposto). As subordinadas substantivas são introduzidas,em geral, pelas conjunções integrantes que e se, as quais não desempenham nenhuma função sintática.

b) adjetivas: exercem a função sintática de adjunto adnominal, comumente exercida pelo adjetivo. As subordinadas adjetivas são introduzidas por pronomes relativos - que, quem, quanto, como, onde cujo (e flexões), o qual (e flexões). Os pronomes relativos desempenham diferentes funções sintáticas na oração por eles introduzida.

c) adverbiais: exercem a função sintática de adjunto adverbial, característica do advérbio. As subordinadas adverbiais são introduzidas pelas conjunções subordinativas (exceto as integrantes) e exprimem circunstâncias de tempo, conseqüência, causa, comparação, concessão, proporção, condição, conformidade e finalidade. Tais conjunções não desempenham função sintática.

Orações Subordinadas Substantivas

As orações subordinadas substantivas, conforme a função sintática que desempenham,classificam-se em subjetivas, objetivas diretas,objetivas indiretas, predicativas, completivas nominais ou apositivas.

a) subjetivas: exercem a função de sujeito do verbo da oração principal.

I: Seu casamento / é urgente.
sujeito
 

II: Que você case / é urgente.
or. subord. subst. subjetiva
or. principal

No exemplo I, em que temos um período simples, o núcleo do sujeito é representado por um substantivo - casamento. No exemplo II, um período composto formado de duas orações, o sujeito da oração principal é representado por uma oração - que você case - que exerce a mesma função sintática do substantivo casamento no exemplo I. A essa oração, que exerce a função sintática de sujeito de outra oração, dá-se o nome de oração subordinada substantiva subjetiva:

-oração subordinada
porque exerce uma função sintática subordina-se a outra

- substantiva
porque exerce uma função própria do substantivo

- subjetiva
porque exerce a função sintática de sujeito da oração principal

Note as ocorrências mais freqüentes de orações subordinadas substantivas subjetivas: .

or. principal
or. subord. subst. subjetiva
Ex.: É provável / que ele chegue ainda hoje.
Ex.: Convém / que ele chegue ainda hoje.
Ex.: Conta-se / que ele chegará ainda hoje.

Quando há oração subordinada substantiva subjetiva, a oração principal apresenta o verbo na terceira pessoa do singular e não possui sujeito nela mesma.

b) objetivas diretas: exercem a função sintática de objeto direto do verbo da oração principal:

or. principal
or. subord. subst. objetiva direta
Ex.: Espero / que você case.
Ex.: Desejo / que ele volte.
Ex.: Não sei / se viajarei amanhã.

c) objetivas indiretas: exercem a função sintática de objeto indireto do verbo da oração principal.

or. principal
or. subord. subst. objetiva indireta
Ex.: Necessitávamos / de que nos ajudassem.
Ex.: Gostaria / de que todos me apoiassem.

Nesses exemplos os verbos da oração principal exigem uma preposição, a qual antecede a conjunção integrante.

d) predicativas: desempenham a função sintática de predicativo do sujeito da oração principal.

or. principal
or. subord. subst. predicativa
Ex.: Meu maior desejo era / que todos voltassem.
Ex.: Minha esperança é / que sejas feliz.

Observe a presença do verbo de ligação na oração principal.

e) completivas nominais: exercem a função sintática de complemento de um nome da oração principal.

or. principal
or. subord. subst. completiva nominal
Ex.: Tenho medo / de que me traias.
Ex.: Sou favorável / a que o condenem.

Observe que as completivas nominais (assim como o complemento nominal) se ligam ao nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) por meio de preposição.

f) apositivas: desempenham a função sintática de aposto de um nome da oração principal.

or. principal
or. subord. subst. apositiva
Ex.: Desejo uma coisa: / que sejas feliz.
Ex.: Espero sinceramente isto: / que vocês não faltem mais.

Note que, assim como no caso do aposto, as orações apositivas separam-se da principal por sinal de pontuação.


As orações subordinadas substantivas, como vimos, começam geralmente pelas conjunções subordinativas integrantes (que e se). Podem, no entanto, vir introduzidas por outras palavras:

or. principal
or. subord. subst. apositiva
Ex.: Não sei / como ele se comportou.
Ex.: Perguntei / quando era o exame.
Ex.: Não sei / por que és tão vaidosa.
Ex.: Perguntamos / quanto custava o produto.
Ex.: Não sabemos / quem escondeu os documentos.

Orações Subordinadas Adjetivas

As orações subordinadas adjetivas são, como já definimos, aquelas que exercem a função sintática de adjunto adnominal, própria do adjetivo. Estão relacionadas a um nome da oração principal e vêm introduzidas por um pronome relativo.

I. Admiramos os alunos estudiosos.
  adjetivo
   
II. Admiramos os alunos / que estudam.
  or. subord. adjetiva

No exemplo I, em que temos um período simples, o adjetivo estudiosos exerce a função sintática de adjunto adnominal. Já no exemplo II, um período composto, a função sintática de adjunto adnominal não é mais exercida por um adjetivo, mas por uma oração que equivale a um adjetivo - que estudam - a qual funciona como adjunto adnominal do núcleo do objeto direto alunos. A essa oração dá-se o nome de oração subordinada adjetiva:

- oração subordinada
porque exerce uma função sintática

- adjetiva
porque exerce a função de adjunto adnominal, própria do adjetivo

É muito fácil reconhecer uma oração subordinada adjetiva, já que ela sempre virá introduzida por um pronome relativo. A oração adjetiva pode vir depois da oração principal ou estar nela intercalada:

Ex.: Serão premiados os alunos
/ que
conseguirem melhor nota.
or. principal
pron. rel.
or. subord. adjetiva

Ex.: Os alunos
que
conseguirem melhor nota serão premiados.
or. principal
pron. rel.
or. subord. adjetiva
or. principal

Quanto ao sentido, as orações subordinadas adjetivas classificam-se em restritivas ou explicativas.

a) restritivas: restringem a significação do nome a que se referem.

Ex.: O homem
/ que fuma
/ vive menos.
or. principal
or. subord. adj.
restritiva
or. principal

Verifique que a característica expressa pela oração adjetiva que fuma não se aplica a todos os elementos da espécie humana. Dizemos, então, que ela restringe a significação do nome a que se refere: abrange não todos os homens, apenas aqueles que fumam.
Outros exemplos:

Ex.: Os jogadores / que foram convocados / apresentaram-se ontem.
     or. principal
or. subord. adj. restritiva
or. principal

Ex.: O homem    / que trabalha / vence na vida.
     or. principal
or. subord. adj. restritiva
or. principal

Ex.: Resolveram os exercícios / que faltavam.
     or. principal
or. subord. adj. restritiva

b) explicativas: não restringem a significação do nome; pelo contrário, acrescentam uma característica que é própria do elemento a que se referem.

Ex.: O homem / , que é um ser racional / , aprende com os erros.
     or. principal
or. subord. adj. explicativa
or. principal

Verifique que a característica ser racional não restringe a significação do nome a que se refere, uma vez que se aplica a todos os elementos da espécie. Assim, a oração subordinada adjetiva explicativa informa uma característica que é própria a todos os seres humanos. Dizemos então que ela explica o significado do nome a que se refere.
Outros exemplos:

Ex.: O Sol / , que é uma estrela / , é o centro do nosso sistema planetário.
     or. principal
or. subord. adj. explicativa
or. principal

Ex.: Capitu / , que é uma personagem de Dom Casmurro / , tinha olhos de ressaca.
     or. principal
or. subord. adj. explicativa
or. principal

Ex.: São Paulo / , que é o maior parque industrial da América Latina
     or. principal
or. subord. adj. explicativa
/ , apresenta sérios problemas de poluição ambiental.
or. principal                                                

As orações subordinadas adjetivas explicativas são obrigatoriamente separadas da principal por vírgula.

Função sintática dos pronomes relativos

Como já vimos,os pronomes relativos desempenham função sintática na oração adjetiva. Para analisá-lo, o melhor procedimento é montar a oração adjetiva substituindo o pronome relativo pelo seu antecedente.

Ex.: O homem / , que é um ser racional / , aprende com os erros.
antecedente
pron. relativo
(Oração principal: O homem aprende com os erros. Oração adjetiva: O homem é um ser racional.)

O próximo passo é analisar essa oração adjetiva. Observe que a função do pronome relativo será a mesma que, feita a substituição, seu antecedente exercer na oração adjetiva. No exemplo, o pronome relativo desempenha a função sintática de sujeito da oração subordinada adjetiva.
As principais funções sintáticas desempenhadas pelos pronomes relativos são:

a) sujeito
Ex.: O sol, / que é uma estrela, / é o centro de nosso sistema planetário.
(que substitui o sol. - O Sol é uma estrela. - O Sol: sujeito.)

b) objeto direto
Ex.: Os trabalhos / que faço / me dão prazer.
(que substitui os trabalhos. - (eu) Faço os trabalhos. - os trabalhos: objeto direto.)

c) objeto indireto
Ex.: Os filmes / a que nós nos referimos / são italianos.
(que substitui os filmes. - Nós nos referimos aos filmes. - aos filmes: objeto indireto.)

Ex.: As pessoas / de quem gostamos / são italianas.
(quem substitui as pessoas. - Gostamos das pessoas. - das pessoas: objeto indireto.)

d) predicativo do sujeito
Ex.: O atleta saudável / que ele sempre foi / hoje está fora das pistas por causa de um acidente.
(que substitui o atleta saudável. - Ele sempre foi o atleta saudável. - o atleta saudável: predicativo do sujeito.)

e) complemento nominal
Ex.: O filme / a que fizeram referência / foi premiado.
(que substitui o filme. - Fizeram referência ao filme. - ao filme: complemento nominal.)

f) adjunto adnominal
Ex.: O menino / cujo pai é médico / deverá seguir a carreira do pai.
(cujo substitui o menino. - O pai do menino é médico. - do menino: adjunto adnominal.)

g) agente da passiva
Ex.: O médico / por quem fui operado / é também professor da universidade.
(quem substitui o médico. - Fui operado pelo médico. - pelo médico: agente da passiva.)

h) adjunto adverbial
Ex.: A cidade / em que moro / é bastante tranqüila.
(que substitui a cidade. - Moro na cidade. - na cidade: adjunto adverbial.)


Orações Subordinadas Adverbiais

Orações subordinadas adverbiais são, conforme definimos anteriormente, aquelas que exercem a função sintática de adjunto adverbial, própria do advérbio. Observe:

I. Saímos tarde.
  advérbio
   
II. Saímos / quando era tarde.
 
or. subord. adverbial

No exemplo I, em que temos período simples, o advérbio tarde exerce a função sintática de adjunto adverbial. Já no exemplo II, período composto, a função sintática de adjunto adverbial não é mais exercida por um advérbio, mas por uma oração equivalente - quando era tarde. A essa oração dá-se o nome de oração subordinada adverbial:

- oração subordinada
porque exerce uma função sintática

- adverbial
porque exerce a função de adjunto adverbial, própria do advérbio

As orações subordinadas adverbiais iniciam-se pelas conjunções subordinativas,exceto as integrantes (que, como vimos, introduzem as orações subordinadas substantivas).
A Nomenclatura Gramatical Brasileira faz referência a nove tipos de oração adverbial: causal, comparativa, consecutiva, concessiva, condicional, conformativa, final, proporcional, temporal.
A melhor maneira de classificar as orações adverbiais é pensar no significado da oração dentro do contexto da frase. Não se habitue, portanto, a decorar conjunções.
Vejamos agora cada tipo, um a um.

a) causal: exprime uma circunstância de causa, aqui entendida como motivo,ou seja,aquilo que determina ou provoca um acontecimento. As principais conjunções e locuções conjuntivas causais são: porque, como (equivalendo a porque), visto que, já que, uma vez que.

Ex.: Não viajamos / porque estava chovendo.
     or. principal
or. sudord. adv. causal

b) comparativa: exprime circunstância de comparação, que é o ato de confrontar dois elementos a fim de estabelecer semelhanças ou diferenças entre eles. As principais conjunções comparativas são: como, que (precedido de mais ou de menos):

Ex.: Choveu / como chove em Belém.
     or. principal
or. sudord. adv. comparativa


Muitas vezes as orações comparativas vêm com o verbo elíptico.
Ex.: Choveu / como em Belém. (= choveu como chove em Belém. Verbo elíptico: chove)
Ex.: Falava mais / que papagaio. (= Falava mais que papagaio fala. Verbo elíptico: fala)

c) consecutiva: exprime circunstância de conseqüência (resultado ou efeito de uma ação qualquer). A principal conjunção consecutiva é que (precedido de um termo intensivo: tão, tal, tanto).

Ex.: Choveu / tanto que o jogo foi suspenso.
     or. principal
or. sudord. adv. consecutiva

d) concessiva: exprime circunstância de concessão, que é o ato de conceder, de permitir, de não negar, de admitir uma ideia contrária. As principais conjunções e locuções conjuntivas concessivas são: embora, conquanto, se bem que, ainda que, mesmo que, por mais que, por menos que.

Ex.: Choveu / embora a meteorologia previsse bom tempo.
     or. principal
or. sudord. adv. concessiva


Nas orações concessivas se admite um fato contrário a outro fato expresso pela oração principal, porém incapaz de impedi-lo; por isso as orações concessivas trazem sempre em si a ideia de apesar de.
E.: Tirou boa nota, se bem que não tivesse estudado. (= Tirou boa nota apesar de não ter estudado.)

e) condicional: exprime circunstância de condição, entendida como uma obrigação que se impõe ou se aceita para que um determinado fato se realize. As principais conjunções e locuções conjuntivas condicionais são: se, caso, contanto que, desde que.

Ex.: Viajaremos / se não chover amanhã.
     or. principal
or. sudord. adv. condicional


A oração condicional traz sempre em si a ideia de na hipótese de.
Terminarei o trabalho amanhã se tudo der certo. (= Terminarei o trabalho amanhã na hipótese de tudo dar certo.)

f) conformativa: exprime circunstância de conformidade, isto é, de acordo, de adequação, de não-contradição. As principais conjunções conformativas são: conforme, segundo, consoante, como.

Ex.: Choveu, / conforme era previsto.
     or. principal
or. sudord. adv. conformativa

g) final: exprime circunstância de finalidade, entendida como o objetivo, a destinação de um fato. As principais conjunções e locuções conjuntivas finais são: a fim de que, para que, que.

Ex.: Os lavradores esperavam a chuva / a fim de que não perdessem safra.
     or. principal
or. sudord. adv.final

h) proporcional: exprime circunstância de proporção, entendida como a relação entre duas coisas, de modo que qualquer alteração em uma delas implique alteração na outra. As principais locuções conjuntivas proporcionais são: à proporção que, à medida que.

Ex.: À proporção que a civilização progride, / o romantismo se extingue.
     or. sudord. adv.proporcional
or. principal

i) temporal: exprime circunstância de tempo. As principais conjunções e locuções conjuntivas temporais são: quando, enquanto, logo que, desde que, assim que.

Ex.: Choveu / quando eram dez horas.
     or. principal
or. sudord. adv. temporal

Orações Subordinadas Reduzidas

Muitas vezes, as orações subordinadas (substantivas, adjetivas, adverbiais) podem aparecer sob a forma de orações reduzidas. As orações subordinadas reduzidas têm duas características:

  • apresentam o verbo em uma das formas nominais: gerúndio, particípio ou infinitivo;
  • não vêm introduzidas por conectivos (conjunções e locuções conjuntivas subordinativas ou pronomes relativos).

As orações subordinadas reduzidas classificam-se, de acordo com a forma verbal que apresentam, em:

  • subordinada reduzida de gerúndio;
  • subordinada reduzida de particípio;
  • subordinada reduzida de infinitivo.

Para analisar uma oração subordinada reduzida, basta fazer o seguinte:

1. desenvolvê-la, ou seja, tirá-la da forma reduzida, fazendo aparecer o conectivo;
2. analisar a oração desenvolvida;
3. aplicar a análise da oração desenvolvida à reduzida, acrescentando as palavras reduzida de gerúndio, particípio ou infinitivo, conforme o caso. Observe atentamente o exemplo que segue:

Ex.: Penso / estar doente.

Desenvolvendo:

Ex: Penso / que estou doente.
  or. principal
or. sudord. subst. obj. dir.

Analisando a oração desenvolvida, temos: oração subordinada substantiva objetiva direta. Agora, basta aplicar a classificação à oração reduzida e acrescentar as palavras reduzida de infinitivo. Portanto:

Ex.: Penso / estar doente.
  or. principal
or. sudord. subst. obj. dir. reduzida de infinitivo

Vejamos outro exemplo:

Ex.: Vi guardas / conduzindo presos.

Desenvolvendo:

Ex.: Vi guardas / que conduziam presos.
  or. principal
or. sudord. subst. adj. restritiva

Aplicando a análise à oração reduzida, temos: oração subordinada adjetiva restritiva, reduzida de gerúndio.

Examinemos agora uma terceira hipótese:

Ex.: Terminado o baile, / todos saíram.

Desenvolvendo:

Ex.: Quando terminou o baile, / todos saíram.
or. sudord. adverbial temporal
or. principal

Aplicando a análise da oração desenvolvida à reduzida. temos: oração subordinada adverbial temporal, reduzida de particípio.


Atividades
1- Identifique se cada período a seguir é: simples; composto por coordenação; composto por subordinação; composto por coordenação e subordinação.
a) "Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá." (Gonçalves Dias)
b) "Já se vê quanto vai do saber aparente ao saber real." (Rui Barbosa)
c) "A injúria equilibrou-me o espanto." (Raul Pompeia)
d) "Duvide-se, divirja-se, objete-se." (Guimarães Rosa)
e) "A morte é para qualquer momento, não se pode estar de pijama." (Guimarães Rosa)
f) "O homem foi até a porta, chamou o carcereiro, e ficou falando com alguém que estava fora." (Rachei de Queiroz)
g)"Carmélia bailava à sombra de árvores que refulgiam ao sol." (Cyro dos Anjos)
h) "... confessei a mim mesmo que ele tinha um bom coração e provavelmente não reincidiria." (Graciliano Ramos)
i) "Conheci que Madalena era boa em demasia, mas não conheci tudo de uma vez." (Graciliano Ramos)
j) ''Todos os pais aconselham, se bem que nem todos possam jurar pelo valor de seus conselhos." (Rui Barbosa)

2- Em: "Apenas na manhã seguinte, conhecemos com detalhes os planos industriais do primo Basí1io", temos do ponto de vista sintático:
a) um período simples
b) um período composto por subordinação cuja oração principal é :"Apenas na manhã seguinte", com verbo subentendido
c) um período composto por subordinação cuja oração principal é: "Apenas na manhã seguinte conhecemos com detalhes os planos industriais do primo Bast1io"
d) um período composto por coordenação e subordinação
e) um período composto por subordinação cuja oração principal é: "Conhecemos com detalhes os planos industriais do primo Basí1io"

3- Assinale a única alternativa correta a respeito do período: "Jantamos num restaurante próximo de casa, depois fomos ao cinema".
a) É um período simples.
b) Apresenta três orações.
c) Apresenta duas orações.
d) É composto por coordenação e subordinação.
e) É composto por orações que se caracterizam, todas, por não possuírem sujeito determinado.

4- Classifique as orações coordenadas em destaque. Lembre-se de que elas podem ser sindéticas (aditiva, adversativa, alternativa, conclusiva e explicativa) ou assindéticas.
a) Recebeu o dinheiro da pensão, mas gastou tudo.
b) Ora faz frio, ora faz calor.
c) Pagou a divida, portanto não deve mais nada.
d) Devolva-me o livro, pois estou precisando dele.
e) Saíram cedo e caminharam bastante.
f) Partiram tristes, depois retomaram felizes.

5- Classifique as orações em destaque.
a) "Dr. Sampaio escreveu um bilhete à família e entregou-me no mesmo dia trinta e seis contos e trezentos." (Graciliano Ramos)
b) "Luís Padilha abriu a boca e arregalou os olhos miúdos." (Graciliano Ramos)
c) "Fez por esconder o mau humor, mas o seu modo de olhar para baixo e para os lados não me enganou." (Cyro dos Anjos)
d) "Os advogados sempre têm arrazoados urgentes por fazer e vivem às voltas com os prazos processuais." (Cyro dos Anjos)
e) "Um sabedor não é armário de sabedoria armazenada, mas transformador reflexivo de aquisições dirigidas." (Rui Barbosa)
f) Não demore, porque já estamos atrasados.
g) Não havia mais passagens, portanto não puderam viajar.
h) Apressa-te, que já é tarde.
i) Já estamos sem dinheiro; devemos, pois, retomar logo.
j) Encontrei a gaveta trancada, logo não pude pegar os documentos.

6- Aponte a alternativa em que ocorra oração coordenada sindética adversativa.
a) Ou você resolve o exercício, ou fica sem nota.
b) Ele não resolveu o exercício, logo ficou sem nota.
c) Resolva o exercício, porque você ficará sem nota.
d) Ele preferia ficar sem nota a resolver o exercício.
e) Ele ficou sem nota, mas não resolveu o exercício.

7- Divida o seguinte período em orações e classifique-as.
" A canoa deslizava brandamente, entrava na boca do rio Canumã e despertava as sardinhas meio adormecidas entre duas águas, nenhum pássaro cantava, as vozes noturnas da floresta haviam-se calado, mas nós estávamos alerta." (Inglês de Souza)

8- Há oração coordenada em:
a) A paisagem perdeu o encanto da frescura.
b) O autor sobre quem falávamos fará uma palestra amanhã.
c) Não vejo flores nesta primavera. d) Estudamos toda a matéria para o vestibular.
e) Vesti-me rapidamente, tomei um táxi, mas cheguei atrasado.

9- Aponte a alternativa em que ocorra oração coordenada sindética conclusiva.
a) Todos estavam presentes, porém ninguém prestou atenção.
b) Saiu cedo, no entanto não chegou na hora combinada.
c) Estes exercícios são mais fáceis, portanto resolva-os agora.
d) Vá embora, que logo começará a chover.
e) Não só compareceram, mas também ajudaram.

10- Divida o período e classifique as orações coordenadas.
a) Ele foi ao cinema, mas não gostou do filme.
b) Deixe-me, que eu preciso terminar a lição.
c) Ele entrou, arrumou a mesa, pegou o caderno e começou trabalhar.
d) Ele não comprou os ingressos, portanto não pôde assistir ao espetáculo.
e) A lua surge ou some de acordo com a formação das nuvens.
t) O mês acabou; ele não tem, pois, mais tempo nenhum.
g) Ora fica calada, ora faia excessivamente.
h) Saia, porque minha paciência já se esgotou.
i) O dia amanheceu e a cidade acordou iluminada.
j) Ou respeitamos a natureza ou as próximas gerações pagarão por nossos gestos impensados.
k) O cliente não saía nem deixava a funcionária do banco sair.
l)Vá ao supermercado, pois os alimentos estão no fim.
m) Eles mantiveram as camas, mas os colchões foram mudados.
n) No acampamento, eles fazem uma trilha e chegam ao Jardim Botânico.

11- Classifique as orações presentes nos períodos abaixo como subordinadas substantivas subjetivas ou subordinadas substantivas objetivas diretas.
a) O rei berrou que estava cheio dos sermões da rainha.
b) Convém que você fuja imediatamente.
c) Conta-se que naquela torre habita uma bruxa.
d) Contam que naquela torre habita uma bruxa.
e) É provável que ele chegue ainda hoje.
f) Acontece que ainda te amo.
g) Parece que eles chegaram à cidade.
h) Ele afirmou categoricamente que o fato não era verdadeiro.
i) Comenta-se que poucos foram reprovados.
j) Urge que você retome ao país.

12- Classifique as orações em destaque.
a) A virtude das mulheres é que elas nunca mentem.
b) A verdade é que ele não acredita mais em promessas de políticos.
c) Ele fez questão de que nos retirássemos.
d) Ele ficou com medo de que eu revelasse seu segredo.
e) O time precisava de que toda a torcida esperasse.
f) Ele sempre quer a mesma coisa: que a sua presença seja notada.
g) Os homens sempre se esquecem de que não são o sexo frágil.
h) Sou favorável a que o absolvam.
i) Havia dúvida de que o fato fosse verdadeiro.
j) Ninguém duvidava de que o fato fosse verdadeiro.
k) Ignoramos quando se deu o desastre.
l)"Vejo agora quanto estava preso a ela."(Cyro dos Anjos)
m) "... tenho a impressão de que estou vivendo não em Belo Horizonte..." (Cyro dos Anjos)
n) É conveniente que todos compareçam.
o) E preciso que você seja mais responsável.
p) Foi necessário que os bombeiros interviessem.
q) Não entendi por que ele não compareceu.
r) Perguntei se ele estava satisfeito.
s) Meu desejo é que eles retomem rápido.
t) Sempre alegava a mesma coisa: que não era o único culpado.

13 "Fermentação e destilação são as duas únicas receitas para se fabricar o álcool que pode ser bebido." (Superínteressante, fev. 2000, p. 36.)
Com relação ao texto acima, pergunta-se: Todo álcool pode ser bebido? Justifique sua resposta.

14- Reescreva as frases a seguir, substituindo as expressões destacadas por um adjetivo, conforme o modelo:
Formavam-se gotículas que não se podiam perceber.
- Formavam-se gotículas imperceptíveis.
a) O saber é um bem que não se pode destruir.
b) A caneta solta tinta que não se pode apagar.
c) Tem uma letra que não se consegue ler.
d) Foi uma cena que não se podia imaginar.
e) É uma grandeza que não pode ser medida.
f) É uma atitude que não pode ser compreendida.

15- Destaque e classifique as orações subordinadas adjetivas.
a) São obras ruja autenticidade é garantida.
b) Falaram tudo quanto queriam falar.
c) "Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá." (Gonçalves Dias)
d) É esta a pessoa em quem confio.
e) "Chamei ontem o Dr. Fagundes, que é o médico da casa desde anos." (Cyro dos Anjos)
f) "O velho papagaio, que me parecia humorístico, dá-me, agora, grande pena." (Cyro dos Anjos)
g) "O caboclo mal-encarado que encontrei um dia em casa do Mendonça também se acabou em desgraça." (Graciliano Ramos)
h) "Vários fregueses que sempre procederam bem quebraram tudo de repente." (Graciliano Ramos)
i) "As criaturas que me serviram durante anos eram bichos." (Graciliano Ramos)
j) O Dr. João, que é cardiologista, fez a operação.
k) "... não há serenidade moral que corte uma polegada sequer às abas do tempo..." (Machado de Assis)
l) "Cesse tudo o que a Musa antiga canta..." (Camões)
m) "Somos o que somos." (Fernando Pessoa)

16- Aponte a diferença de significado entre os dois períodos a seguir.
a) Os homens, que têm seu preço, são fáceis de corromper.
b) Os homens que têm seu preço são fáceis de corromper.

17- Nos períodos a seguir, classifique a oração iniciada pela conjunção se.
a) "Existiria a verdade
verdade que ninguém vê
se todos fossem no mundo
iguais a você." (Vinicius de Moraes e Tom Jobim)
b) Não sei se você conhece o autor desta canção.
c) "Se você não me queria
Não devia me procurar
Não devia me iludir
Nem deixar eu me apaixonar." (Monsueto Menezes)

18- "Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos."
Empregando a conjunção adequada, reescreva o período, estabelecendo entre essas orações:
a) uma relação causal;
b) uma relação de conclusão.

19- Classifique as orações subordinadas, adverbiais em destaque.
a) À medida que caminhávamos, mais longe ficávamos da base.
b) Falou mais alto a fim de que todos o ouvissem melhor.
c) Como não tivesse estudado, foi mal na prova.
d) Conforme era previsto, ele não compareceu.
e) Embora fosse rico, vivia na mais extrema penúria.
f) Saí, conquanto estivesse doente.
g) Estava falando alto desde que chegou.
h) Falou tanto que ficou rouco.
i) "Quando serenei, pareceu-me que houvera barulho sem motivo." (Graciliano Ramos)
j) "Quando ela morresse, eu lhe perdoaria os defeitos." (GracilianoRamos)
k) "À medida, porém, que as horas se passavam, sentia-me cair num estado de perplexidade e covardia." (Graciliano Ramos)
l)"Guiou-me ao canto nono, como a uma rua suspeita." (Raul Pompeia)
m) "Era cedo demais para que eu pudesse pesar filosoficamente a revelação..." (Raul Pompeia)
n) "Emília foi mais forte do que eu." (Cyro dos Anjos)
o) "Desde que houve a reunião em casa de Jandira, eu não pensava mais em Arabela..." (Cyro dos Anjos)
p) "Recolheu sua mala para que o intruso se acomodasse."(Fernando Sabino)
q) A prova, como se esperava, foi muito difícil.
r) A chuva foi de tal modo intensa que inundou quase todas as casas.

20- Classifique as orações adverbiais destacadas.
a) Correram tanto, que ficaram cansados.
b) Ficaram cansados porque correram muito.
c) Foram punidos porque se comportaram muito mal.
d) Comportaram-se tão mal, que foram punidos.

21- Classifique as orações destacadas.
a) Embora não fosse culpado, foi condenado.
b) Iriam viajar no sábado, desde que fizesse bom tempo.
c) Não paravam de conversar, desde que a aula começou.
d) Comeram tanto, que passaram mal.
e) Passaram mal porque comeram muito.

22- Desenvolva as orações reduzidas presentes nos períodos seguintes e, a seguir, classifique-as.
a) Penso estar na sala certa.
b) O remédio era ficarmos em casa.
c) Há sombras vagueando na noite.
d) Não dizendo a verdade, nada conseguirás.
e) Terminada a festa, retiraram-se todos os convidados.
f) Precisando, disponha.
g) É necessário chegares a tempo.
h) Foram repreendidas por se queixarem.

23- Explique por que há uma ambiguidade no seguinte período.
" O guarda encontrou os criminosos correndo em direção à estação."

24- Nos períodos seguintes, identifique as orações reduzidas e, a seguir, classifique-as.
a) Encontrei um homem andando sem destino.
b) Fiz um atalho, para encurtar o caminho.
c) Temendo conseqüências mais drásticas, suspenderam a obra.
d) É necessário fazermos mudanças radicais.
e) Não comparecendo à reunião, sairás prejudicado.

25- Aponte a alternativa em que ocorre oração subordinada adjetiva.
a) Faça silêncio, que já é tarde.
b) Desejo que todos voltem rapidamente.
c) É esta a rua em que moro.
d) Percebeu que não havia outra solução.
e) Soube-se que ele não viria.

26- Em qual das alternativas ocorre oração subordinada adjetiva?
a) Verificou-se que os argumentos tinham fundamento.
b) Fiz-lhe sinal para que se calasse.
c) Comeu tanto que ficou doente.
d) A resposta que você me deu foi satisfatória.
e) Luta que luta e nunca vê recompensa.

27- No período: ''Feliz o pai cujos filhos são ajuizados", a oração em destaque é:
a) substantiva completiva nominal
b) substantiva predicativa
c) coordenada assindética
d) coordenada sindética explicativa e) adjetiva restritiva

28- Na frase: "Sem estudar, você não será aprovado", a oração destacada indica ideia de:
a) concessão
b) modo
c) causa
d) condição
e) tempo

29- Na frase: "Sabendo que seria preso, ainda assim saiu à rua", a ideia contida na oração em destaque é de:
a) conformidade
b) modo
c) condição
d) tempo
e) concessão

30- Na frase: "Não vendo o poste, colidiu com ele", a oração destacada encerra ideia de:
a) concessão
b) causa
c) condição
d) modo
e) finalidade


Desenvolvido por Roberto de Avila Zamoner - © 2007 Roberto de Avila Zamoner