Aula 16 - Sintaxe:
Concordância verbal e Concordância nominal
 
DEFINIÇÃO

Concordância é o mecanismo através do qual as palavras alteram suas terminações para se adequarem harmonicamente umas às outras na frase. Há dois tipos de concordância:

a) concordância verbal: o verbo altera as desinências número-pessoais para ajustar-se em pessoa e número ao sujeito.

b) concordância nominal: os nomes (adjetivos, artigos, numerais adjetivos e pronomes adjetivos) alteram suas desinências para se ajustarem em número e gênero ao substantivo a que se referem.


Concordância Verbal

Regra geral: o verbo e o sujeito devem concordar em número e pessoa. Como você pode notar; a regra geral não oferece maiores dificuldades.

sujeito
verbo
 
Ex.: Eu cheguei. (1ª pessoa do singular)
Ex.: Tu chegaste. (2ª pessoa do singular)
Ex.: O aluno chegou. (3ª pessoa do singular)
Ex.: Os alunos chegaram. (3ª pessoa do plural)

Entretanto há inúmeros casos em que a concordância não é feita de acordo com a regra geral; somam-se a eles alguns outros casos em que não se tem ainda uma norma consolidada, pois mesmo em bons autores encontram-se concordâncias divergentes para a mesma ocorrência. É justamente a esses casos que dedicaremos agora a nossa atenção.

Casos particulares

O sujeito é um coletivo
Quando o sujeito é um coletivo, o verbo acompanha o número do substantivo.

Ex.: O bando
perturbou
a pacata cidade.
sujeito
(coletivo no singular)
verbo
(3ª pes. do singular)
 

Ex.: Os bandos
perturbaram
a pacata cidade.
sujeito
(coletivo no plural)
verbo
(3ª pes. do plural)
 

Se o coletivo singular vier especificado por um adjunto plural, o verbo pode ficar no singular (conforme a regra geral), ou ir para o plural.

Ex.: A multidão de fanáticos torcedores aplaudiu (ou aplaudiram) a jogada.
sujeito (coletivo especificado)
verbo
 

Esse procedimento deve ser aplicado também com as expressões partitivas (parte de, metade de, uma porção de, a maior parte, etc.).

Ex.: Grande parte dos torcedores compareceu (ou compareceram) ao estádio.
sujeito
verbo
 

Nomes que só se usam no plural
Quando o sujeito é um nome que só se usa no plural e não vem precedido de artigo, o verbo fica no singular. Caso venha antecipado de artigo, o verbo deverá estar no mesmo número em que estiver o artigo.
Ex.: Minas Gerais produz muito leite.
Ex.: As Minas Gerais produzem muito leite.
Ex.: Férias faz bem.
Ex.: As férias fazem bem.
Ex.: Pêsames não traz conforto.
Ex.: Os pêsames não trazem conforto.
Ex.: Os Estados Unidos enviaram poderoso reforço.
Ex.: O Amazonas fica longe.

O sujeito é um pronome de tratamento
Quando o sujeito é um pronome de tratamento, o verbo fica sempre na terceira pessoa (do singular ou do plural).
Ex.: Sua Alteza está em audiência.
Ex.: Vossas Altezas desejam assistir à ópera?
Ex.: Sua Excelência recolheu-se aos seus aposentos.
Ex.: Vossas Excelências merecem esta honraria.

O sujeito é o pronome relativo que
Quando o sujeito é o pronome relativo que, o verbo concorda com o antecedente do pronome relativo.

 
antecedente
sujeito
verbo
Ex.: Fui eu que falei.
Ex.: Foste tu que falaste.
Ex.: Foi o menino que falou.
Ex.: Fomos nós que falamos.

O sujeito é o pronome relativo quem
Quando o sujeito é o pronome relativo quem, o verbo deve ficar na terceira pessoa do singular, concordando com o pronome.

    sujeito verbo
Ex.: Fui eu quem falou.
Ex.: Foste tu quem falou.
Ex.: Foi ele quem falou.

São, porém, freqüentes os exemplos em que o verbo concorda com o antecedente do pronome relativo quem.

    sujeito verbo
Ex.: Fui eu quem falei.
Ex.: Fomos nós quem falamos.

O sujeito é mais de um / mais de dois
Quando o sujeito é formado pelas expressões mais de um, mais de dois, o verbo deverá estar no mesmo número em que estiver o numeral dessas expressões.
Ex.: Mais de um aluno faltou.
Ex.: Mais de dois alunos faltaram.

Há, no entanto, dois casos em que a expressão mais de um exige verbo no plural:

a) quando vier repetida.
Ex.: Mais de um aluno e mais de um professor faltaram.

b) quando o verbo indicar reciprocidade.
Ex.: Mais de um atleta cumprimentaram-se.

O sujeito é formado pelas expressões alguns de nós / poucos de nós
Quando o sujeito é formado de um pronome indefinido no plural (alguns, poucos, muitos, quantos, quais, etc.), seguido dos pronomes retos nós ou vós, o verbo concordará com o pronome indefinido plural ou com o pronome reto.
Ex.: Alguns de nós saíram (ou saímos).
Ex.: Quais de vós receberam (ou recebestes) o prêmio?
Ex.: Muitos dentre nós resolveram (ou resolvemos) o problema.

É importante notar que, se o pronome indefinido estiver no singular,o verbo ficará obrigatoriamente no singular, concordando com ele.
Ex.: Algum de nós resolveu o problema.
Ex.: "Qual de nós dois inventou o outro?" (Paul Eluard)

Verbos dar, bater, soar indicando horas
Na indicação de horas, os verbos dar, bater, soar concordam normalmente com seu sujeito.

Ex.: O relógio
deu
duas horas.
sujeito
verbo
 

Ex.: O sino da igreja
bateu
três horas.
sujeito
verbo
 

Quando não está expresso na frase quem deu as horas, o sujeito é o número de horas indicado, com o qual o verbo deverá concordar.

Ex.: Deu
uma hora
no relógio da igreja.
verbo
sujeito
adjunto adverbial

Ex.: Deram
duas horas
no relógio da igreja.
verbo
sujeito
adjunto adverbial

Verbo com índice de indeterminação do sujeito
Quando o verbo vier acompanhado pelo índice de indeterminação do sujeito se, ficará obrigatoriamente no singular.
Ex.: Precisa-se de digitadores.
Ex.: Acredita-se em seres extraterrestres.
Ex.: Trabalha-se em lugares poluídos.
Ex.: Vive-se bem aqui.


Observe que, quando funciona como índice de indeterminação do sujeito, a partícula se está ligada a um verbo que não é transitivo direto.

Verbo com partícula apassivadora
Quando vier acompanhado da partícula apassivadora se, o verbo concordará normalmente com o sujeito expresso na oração.

Ex.: Vende-se uma casa de veraneio.
verbo
sujeito

Ex.: Vendem-se duas casas de veraneio.
verbo
sujeito


Observe que a partícula apassivadora se está ligada a um verbo transitivo direto.

O sujeito é uma oração subordinada
Quando o sujeito é uma oração subordinada, o verbo da oração principal fica na terceira pessoa do singular.

Ex.: Ainda falta resolver vários exercícios.
               verbo
sujeito (oração subordinada)

Os verbos haver e fazer impessoais
O verbo haver (no sentido de existir, ou indicando tempo transcorrido) e o verbo fazer (indicando tempo transcorrido) são impessoais, isto é, não possuem sujeito. Devem, portanto, ficar na terceira pessoa do singular.
Ex.: Havia sérios compromissos.
Ex.: Fazia dez anos que ele não vinha a São Paulo.
Ex.: Deve haver sérios compromissos.
Ex.: Vai fazer dez anos que ele não vem a São Paulo.

Note que, quando um verbo auxiliar se junta a um verbo impessoal, ele também fica no singular.


O verbo existir não é impessoal; possui sujeito e com ele deverá concordar.
Ex.: Existem sérios compromissos.
Ex.: Devem existir sérios compromissos.

Sujeito composto
Quando o sujeito é composto, o verbo deve ir para o plural.

Ex.: O mapa e os dicionários
chegaram.
sujeito composto
verbo no plural

Ex.: Chegaram o mapa e os dicionários.
verbo no plural
sujeito composto

Se o sujeito composto vier posposto ao verbo, este poderá concordar com o núcleo mais próximo (concordância atrativa).

Ex.: Chegou o mapa e os dicionários.
verbo
sujeito composto

Ex.: Falharam as previsões e o cálculo.
verbo
sujeito composto

Há casos, porém, em que o sujeito composto, mesmo anteposto ao verbo, admite o verbo no singular:

a) quando os núcleos são sinônimos ou quase sinônimos.

Ex.: O rancor e o ódio deixou-o transtornado.
sujeito composto
   verbo

b) quando os núcleos vierem dispostos em gradação.

Ex.: Uma indignação, uma raiva profunda, um ódio sem reservas apossou-se dele.
sujeito composto
    verbo

c) quando os núcleos do sujeito composto são infinitivos.

Ex.: Trabalhar e estudar
fazia
dele um homem feliz.
sujeito composto
verbo
 


Caso os infinitivos exprimam ideias opostas, ocorrerá o plural.
Ex.: Rir e chorar se alternam.

Sujeito composto resumido por pronome indefinido
Quando o sujeito composto vier resumido por palavras como tudo, nada, ninguém, etc., a concordância do verbo deverá ser feita obrigatoriamente com a palavra resumitiva.

Ex.: Alunos, mestres, diretores, ninguém
faltou.
sujeito composto
verbo

Ex.: A casa, os móveis, a roupa, tudo estava fora de lugar.
sujeito composto
   verbo

Ex.: Alunos, mestres, funcionários, todos foram ao casamento.
sujeito composto
   verbo

Sujeito composto formado de pessoas diferentes
Quando o sujeito composto é formado de pessoas diferentes e entre elas há primeira pessoa, o verbo irá obrigatoriamente para a primeira pessoa do plural.

Ex.: Eu, tu e ele resolvemos o exercício. (= Nós resolvemos...)
     sujeito composto
      verbo

Ex.: O professor, você e eu saímos apressados. (= Nós saímos...)
     sujeito composto
   verbo

No caso de o sujeito composto ser formado de segunda e terceira pessoa, o verbo poderá ir para a segunda ou para a terceira pessoa do plural.

Ex.: Tu e teu colega chegastes cedo. (= Vós chegastes...)
     sujeito composto
     verbo

Ex.: Tu e teu colega chegaram cedo. (= Vocês chegaram...)
     sujeito composto
     verbo

Núcleos do sujeito ligados por ou
Quando os núcleos do sujeito vierem ligados pela conjunção ou, vamos distinguir dois casos:

a) se a conjunção ou tiver valor excludente, o verbo ficará no singular.

Ex.: Roma ou Viena, será a sede das próximas Olimpíadas.
  sujeito composto
verbo

b) se a conjunção ou não tiver valor excludente, o verbo irá para o plural.

Ex.: Roma ou Viena, são excelentes locais para as próximas Olimpíadas.
  sujeito composto
verbo

A expressão haja vista
Com a expressão haja vista há três construções possíveis:
Ex.: Haja vista os problemas.
Ex.: Haja vista aos problemas.
Ex.: Hajam vista os problemas.

Observe que o substantivo vista fica sempre no feminino, como nas expressões ponto de vista, tenham em vista.

O verbo ser
Efetuar a concordância do verbo ser exige muitos cuidados do estudante, já que, muitas vezes, ele deixa de concordar com o sujeito para concordar com o predicativo.Vejamos, pois, os casos mais comuns.

- O verbo ser concordará obrigatoriamente com o predicativo quando o sujeito for o pronome interrogativo quem ou que.

Ex.: Que são células?
   sujeito
 
predicativo

Ex.: Quem foram os responsáveis?
   sujeito
 
predicativo

- O verbo ser concordará obrigatoriamente com o predicativo quando indicar tempo, data ou distância.

  predicativo     predicativo
Ex.: É uma hora.   São duas horas.
Ex.: É um quilômetro.   São dois quilômetros.
Ex.: É primeiro de maio.   São dez de julho.


Note que na indicação de tempo ou distância, o verbo ser concordará com o primeiro numeral que aparecer.
Ex.: É uma hora e trinta minutos.
Ex.: É bem mais de uma hora.
Ex.: Já são dez para a uma.

- Havendo pronome pessoal, o verbo ser concordará obrigatoriamente com ele, independentemente de o pronome pessoal estar antes ou depois do verbo ser.
Ex.: Os responsáveis somos nós.
Ex.: Nós somos os responsáveis.
Ex.: O professor sou eu.
Ex.: Eu sou o professor.

- Quando houver nome de pessoa, o verbo ser concordará obrigatoriamente com ele, independentemente de o nome de pessoa estar antes ou depois do verbo ser.
Ex.: Juliana era as esperanças do time.
Ex.: As esperanças do time era Juliana.

- Quando o sujeito do verbo ser for o pronome indefinido tudo, ou os demonstrativos isto, isso, aquilo, o, a concordância se fará, de preferência, com o predicativo.

Ex.: Tudo
são
flores.
   sujeito
verbo
predicativo

Ex.: Isto
são
sintomas menos graves.
   sujeito
verbo
predicativo

Ex.: Aquilo
eram
lembranças de um triste passado.
   sujeito
verbo
predicativo

Ex.: O / que nos interessa /
são
os problemas da nação.
   sujeito
 
verbo
predicativo

- O verbo ser que aparece nas expressões é muito, é pouco, é suficiente, é bastante, denotadoras de quantidade, distância, peso, etc., fica sempre no singular.
Ex.: Cem metros é muito.
Ex.: Dois reais é pouco.
Ex.: Dez quilos é suficiente.


Concordância nominal

Regra geral: o adjetivo, o artigo, o numeral adjetivo e o pronome adjetivo concordam em gênero e número com o nome a que se referem.

Ex.: Aqueles dois meninos estudiosos / leram / o livro antigo.

Casos particulares

Um adjetivo referindo-se a mais de um substantivo
Quando temos um só adjetivo qualificando mais de um substantivo, vamos distinguir dois casos:

1. Quando o adjetivo vier anteposto aos substantivos a que se refere, deverá concordar com o substantivo mais próximo.
Ex.: Escolheste má hora e lugar.
Ex.: Escolheste mau lugar e hora.

Quando o adjetivo anteposto funcionar como predicativo (do sujeito ou do objeto), poderá concordar com o substantivo mais próximo (conforme a regra), ou ir para o plural.
Ex.: Estava calmo o aluno e a aluna.
Ex.: Estavam calmos o aluno e a aluna.

Se o adjetivo anteposto referir-se a nomes próprios, o plural será obrigatório.
Ex.: As simpáticas Lúcia e Luciana são irmãs.

2. Quando o adjetivo vier posposto aos substantivos a que se refere, haverá duas opções de concordância:

a) o adjetivo concorda com o substantivo mais próximo:
Ex.: Encontramos um jovem e um homem preocupado.
(ambiguidade: O jovem não estava preocupado?)

b) O adjetivo vai para o plural, concordando com todos os substantivos:
Ex.: Encontramos um jovem e um homem preocupados.

Quando se opta pela concordância no plural, é preciso levar em conta que, se pelo menos um dos substantivos for masculino, o adjetivo irá para o masculino plural.
Ex.: Encontramos uma jovem e um homem preocupados.

Evidentemente, o adjetivo concordará apenas com o último substantivo se apenas ele estiver sendo qualificado.
Ex.: Comeu peixe e laranja madura.
Ex.: Da janela avistava sol e mar azul.

Se o adjetivo posposto aos substantivos funcionar como predicativo, o plural será obrigatório.
Ex.: O aluno e a aluna estão reprovados.

Um substantivo determinado por mais de um adjetivo
Quando houver um único substantivo para vários adjetivos, há duas construções possíveis:
Ex.: Estudava os idiomas francês, inglês e italiano.
Ex.: Estudava o idioma francês, o inglês e o italiano.

Note que,quando se coloca o substantivo no plural,não se usa artigo antes dos adjetivos. Se, no entanto, o substantivo estiver no singular, será obrigatório o uso do artigo a partir do segundo adjetivo.

As expressões é bom / é necessário / é proibido
As expressões formadas de verbo ser mais um adjetivo (é bom, é necessário, é proibido, etc.) não variam.
Ex.: Água mineral é bom.
Ex.: Virtude é necessário.
Ex.: Bebida alcoólica é proibido para menores.

Entretanto, se o sujeito vier antecedido de artigo (ou outro determinante), a concordância será obrigatória.
Ex.: Aquela água mineral é boa.
Ex.: A virtude é necessária.
Ex.: Toda bebida alcoólica é proibida.

Para memorizar a regra, lembre-se deste exemplo clássico:
Ex.: É proibido entrada de estranhos. ou É proibida a entrada de estranhos.

Anexo / Incluso
Anexo e incluso são palavras que funcionam como adjetivos; devem, portanto, concordar com o nome a que se referem.
Ex.: Segue anexo o livro.
Ex.: Seguem anexos os livros.
Ex.: Segue anexa a fotografia.
Ex.: Seguem anexas as fotografias.
Ex.: Vai incluso o documento.
Ex.: Vão inclusos os documentos.
Ex.: Vai inclusa a procuração.
Ex.: Vão inclusas as procurações.

Incluem-se nesta regra as seguintes palavras: mesmo, próprio, obrigado, agradecido, grato, quite.
Ex.: Ele mesmo falou obrigado.
Ex.: Ela mesma falou obrigada.
Ex.: Ele próprio ficou agradecido.
Ex.: Ela própria ficou agradecida.
Ex.: Eles próprios resolveram as questões.
Ex.: O menino ficou grato.
Ex.: A menina ficou grata.
Ex.: Os meninos ficaram gratos.
Ex.: As meninas ficaram gratas.
Ex.: O aluno está quite com o serviço militar.
Ex.: Os alunos estão quites com o serviço militar.

Menos / Alerta
Menos e o advérbio alerta não variam.
Ex.: Havia menos alunos na sala.
Ex.: Havia menos alunas na sala.
Ex.: O rapaz ficou alerta.
Ex.: Os rapazes ficaram alerta.

Bastante / Bastantes
Bastante pode funcionar como adjetivo, pronome ou advérbio. Quando adjetivo ou pronome adjetivo (estará se referindo a um substantivo), concordará normalmente com o substantivo a que se refere.
Ex.: Bastantes pessoas compareceram à reunião.
Ex.: Havia bastantes razões para ele comparecer.
Ex.: As provisões foram bastantes para as férias.
Ex.: Já falei isso bastantes vezes.

Quando advérbio (estará se referindo a verbo, adjetivo ou advérbio), não varia.
Ex.: Elas falam bastante.
Ex.: Elas são bastante simpáticas.
Ex.: Elas chegaram bastante cedo.

Nesta regra, podemos incluir ainda as seguintes palavras: meio, muito, pouco, caro, barato, longe. Portanto, elas se flexionam quando adjetivo, numeral adjetivo ou pronome adjetivo, e se mantêm invariáveis quando advérbio.

Como adjetivo, numeral adjetivo ou pronome adjetivo:
Ex.: Tomou meio litro de leite.
Ex.: Tomou meia garrafa de refrigerante.
Ex.: É meio-dia e meia (hora).
Ex.: Muitos alunos compareceram à formatura.
Ex.: Poucas pessoas assistiram ao jogo.
Ex.: Os sapatos eram caros.
Ex.: A mercadoria é barata.
Ex.: Andei longes caminhos e longes terras.

Como advérbio:
Ex.: Ela é meio louca.
Ex.: A porta estava meio aberta.
Ex.: Ela anda meio aborrecida.
Ex.: Os alunos estudaram muito.
Ex.: Elas gastaram pouco.
Ex.: Aqueles sapatos custaram caro.
Ex.: Aquelas mercadorias custaram barato.
Ex.: Eles moram longe.

Pronomes de tratamento
A concordância (verbal e nominal) dos pronomes de tratamento será sempre em terceira pessoa.
Ex.: Vossa Excelência não precisa incomodar-se com seus problemas.
Ex.: Vossa Alteza conhece muito bem os seus inimigos.

Um adjetivo referente a um pronome de tratamento concordará com o sexo da pessoa representada por este pronome.
Ex.: Sua Majestade está preocupado. (um rei)
Ex.: Sua Majestade está preocupada. (uma rainha)

Só / Sós
A palavra ,quando for adjetivo (equivalerá a sozinho), concordará normalmente com o nome ou pronome a que se refere.
Ex.: Ela ficou .
Ex.: Elas ficaram sós.

Quando for advérbio (equivalerá a somente), não varia. O advérbio em geral pode ser substituído por apenas.
Ex.: Depois da batalha restaram cinzas.
Ex.: Os artistas esperam ter seu talento reconhecido.

A locução adverbial a sós é invariável.
Ex.: Gostaria de ficar a sós com você.
Ex.: Eles precisam conversar a sós.

Substantivo empregado como adjetivo
O substantivo empregado como adjetivo (derivação imprópria) não varia.
Ex.: comício monstro, comícios monstro, conta fantasma, contas fantasma

Possível
A palavra possível, quando acompanha expressões superlativas tais como o mais, a menos,o melhor, a pior, fica no singular.
Ex.: Quero um carro o mais barato possível.
Ex.: Comprou alimentos o menos caros possível.
Ex.: Recebemos a melhor notícia possível.

Vai para o plural, porém, quando o artigo estiver no plural.
Ex.: Vestia roupas as mais modernas possíveis.
Ex.: Dirigiu-lhes os maiores elogios possíveis.
Ex.: As previsões eram as piores possíveis.

A expressão quanto possível é invariável.
Ex.: Proporcionou-lhes conforto quanto possível.
Ex.: Obteve informações quanto possível.

Particípios
Os particípios concordam normalmente com o substantivo a que se referem.
Ex.: Iniciado o trabalho, todos saíram.
Ex.: Iniciados os trabalhos, todos saíram.
Ex.: Iniciada a aula, o professor fez a chamada.
Ex.: Iniciadas as aulas, os professores fizeram a chamada.
Ex.: O material foi comprado pelo pedreiro.
Ex.: Os materiais foram comprados pelo pedreiro.

Quando o particípio integra um tempo composto conjugado na voz ativa, permanece invariável.
Ex.: O professor tinha iniciado a aula.
Ex.: A professora tinha iniciado as provas.
Ex.: Os professores tinham iniciado a aula.
Ex.: As professoras tinham iniciado as provas.

Concordância ideológica
Muitas vezes a concordância não é feita com a forma gramatical das palavras, mas com a ideia ou o sentido que está subentendido nelas. A esse tipo de concordância dá-se o nome de concordância ideológica ou silepse.

Ex.: A dinâmica e populosa São Paulo continua sofrendo com as enchentes. (silepse de gênero: subentende-se a cidade de São Paulo)
Ex.: Os brasileiros comemoramos a vitória de Gustavo Kuerten. (silepse de pessoa: subentende-se nós, os brasileiros)
Ex.: Os sertões conta a Guerra dos Canudos. (silepse de número: subentende-se a obra Os sertões)


Atividades
1- "Acabavam de soar as 9 e três quartos no relógio do castelo e ele a nada se atrevera ainda. Indignado com a própria covardia, Julien pensou: 'Precisamente no momento em que o relógio bater 10 horas, hei de executar o que durante todo o dia me comprometi a fazer, ou então subo ao meu quarto e rebento os miolos.''' (Stendhal, O vermelho e o negro. São Paulo: Abril, 1979. p. 60.)
Com relação ao texto;
a) Justifique a concordância de" acabavam de soar".
b) Qual a função sintática de "no relógio do castelo"?
c) Justifique a concordância de bater.
d) Reescreva o fragmento "Precisamente no momento em que o relógio bater 10 horas...", omitindo o termo o relógio.

2- Mude o verbo de acordo com as alterações propostas para o sujeito.
a) O senador vai se filiar a outro partido.
O senador e o deputado * a outro partido.
Os parlamentares * a outro partido.

b) Os jovens de periferia têm valores próprios.
A geração shopping center * valores próprios.
Você e eu * valores próprios.

c) O turista argentino prefere o litoral de Santa Catarina.
O turista argentino e o uruguaio * o litoral de Santa Catarina.
Os turistas paraguaios * o litoral de Santa Catarina.
Tu e eu * o litoral de Santa Catarina.

Para os exercícios a seguir, adote o seguinte código:
a) se apenas a sentença I estiver correta
b) se apenas a sentença II estiver correta
c) se apenas a sentença m estiver correta
d) se todas estiverem corretas
e) se nenhuma estiver correta

3- I. Sucedeu, naquela época, acontecimentos inevitáveis.
II. Faltou, naquele dia, cinco alunos.
III. Ocorreu, naquela noite, fatos estranhos.

4- I. Chegaram o mapa e os dicionários.
II. Chegou o mapa e os dicionários.
III. O mapa e os dicionários chegaram.

5- I. Eu, tu e vossos amigos chegamos ao local.
II. Eu, tu e nosso colega saímos de casa.
III. Tu e teus amigos resolvestes o problema.

6- I. Existe casos sem solução.
II. Deve existir muitos casos sem solução.
III. Devem haver muitos casos sem solução.

7- I. Na sala de aula, havia vinte alunos.
II. Na sala de aula, existia vinte alunos.
III. Na sala de aula, tinha vinte alunos.

8- I. Faz dez anos que ele saiu.
II. Devem fazer uns dez anos que ele saiu.
III. Vão fazer uns dez anos que ele saiu.

9- I. Vê-se muitas pessoas.
II. Espera-se os resultados.
III. Via -se, através da janela, os pássaros.

10- I. Tratavam-se de assuntos muito importantes.
II. Acreditavam-se, muitas vezes, em marcianos.
III. Confiam-se em pessoas honestas.

11- I. Obedeceram-se aos regulamentos.
II. Precisa-se de cozinheiras com bastante experiência.
III. Apelam-se para pessoas altruístas.

12- I. Mais de um aluno ausentaram-se.
II. Mais de dois alunos ausentaram-se.
III. Mais de um caso ficaram sem solução.

13- I. Mais de uma pessoa fugiram.
II. Mais de um lápis, mais de uma borracha estava sobre a mesa.
III. Mais de um atleta agrediu-se.

14- I. Quais de vós pretendem fugir?
II. Quais de vós pretendeis fugir?
III. Qual de vós pretende fugir?

15 I. Foram eles que pretenderam o cargo.
II. Fomos nós que pretendemos o cargo.
III. Fui eu que fiz o exercício.

16- I. Fomos nós quem pretendeu o cargo.
II. Fui eu quem fez o exercício.
III. Hoje sou eu quem paga a conta.

17- I. Pedro ou Paulo ganharão as eleições.
II. Maria ou Ângela casarão com Pedro.
III Macarrão ou carne me agradam.

18- I. Vossa Majestade sabeis de tudo.
II. Vossa Excelência autorizastes o negócio.
III. Sua Alteza concedestes o privilégio.

19- I. Ele não chegou, haja visto os últimos compromissos.
II. Eles não saíram, hajam visto as dificuldades do trânsito.
III. Eles não chegaram, hajam visto os problemas encontrados.

20- I. É uma hora em ponto.
II. É duas horas e trinta minutos.
III. São meio-dia e meia.

21- I. Da capital àquela cidade são uns duzentos quilômetros.
II. Daqui a Itabuna é setenta quilômetros.
III. De São Paulo ao Rio de Janeiro é uns quatrocentos quilômetros.

22- I. O mundo são ilusões perdidas.
II. Tudo são flores no presente.
III: Aquilo não eram suposições dignas de crédito.


Desenvolvido por Roberto de Avila Zamoner - © 2007 Roberto de Avila Zamoner